Quando é que usamos a Avaliação Heurística?

Q

Para fechar o ciclo de artigos sobre Avaliação Heurística vamos hoje falar de um tópico mais prático. Como sugere o tema, vamos falar sobre quando é que usamos este procedimento. Vamos a prática!

A avaliação Heurística na maioria dos casos feita com um conjunto de 3 a 5 pessoas desde expert em Design até membros da equipe que não tem muito haver com área. A esta equipe, é fornecida um conjunto de ferramentas que é amplamente usado no processo. São dadas ferramentas diferentes quando se tenciona alcançar resultados diferentes. Os membros da equipe, durante os testes não se comunicam, sendo que os resultados são usados de forma agregada no final do processo.

A Avaliação Heurística pode ser usada tanto na fase de interfaces do utilizador avançada como na fase de prototipagem de baixa fidelidade (sketches).

Quando é que usamos a Avaliação Heurística?

Este método pode ser usado em múltiplas fases do projecto. Neste artigo vamos citar apenas 4:

  1. Antes dos testes com utilizadores – A avaliação heurística permite que possamos corrigir erros de menor escala baseados no feedback de profissionais, permitindo assim que os testes com utilizadores sejam usados em casos de problemas de maior proporção.
  2. Antes de um redesign – A avaliação heurística permite avaliar o que funciona o que não funciona e vale a pena ser retirado antes de um processo de redesign de produto.
  3. Quando sabemos que há um problema mais precisamos de evidências – é usado também quando tencionamos descobrir problemas baseados nos feedbacks dos clientes e utilizadores mas que de alguma forma não conseguimos provar que os mesmos estão lá.
  4. Antes do lançamento de um produto – Permite identificar e limar as arestas, no caso de existirem.

Em todas as avaliações, para sejam bem sucedidas é importante que iniciem com um objectivo claramente definido. Estes podem ser:

  • Avaliação do Design em múltiplos níveis
  • Examinar os detalhes, o fluxo de navegação e a arquitectura
  • Consultar, com uma certa frequência a lista dos princípios de usabilidade
  • Usar formas alternativas de teste, dependo dos resultados que se pretendem atingir

Que princípios devem ser usados?

  • Devem ser usados os 10 princípios postulados por Jakob Nielson;
  • Categorizar os objetivos da avaliação heurísticas, desde os objetivos do design, a análise competitiva e o design existente,
  • Devemos  usar os resultados da avaliação no processo de redesign e para a solução dos problemas identificados.

Avaliação Heurística vs Testes com Utilizadores

A avaliação Heurística é na maioria das vezes mais rápida de se realizar do que os testes com utilizadores, estes levam em média 1 a 2 horas por avaliação. Os Resultados da AH vem já pré-interpretados, poupando trabalho de ter de traduzir a linguagem usada pelo utilizador.

Os testes com utilizadores são mais precisos por definição eles levam em consideração o utilizador e a tarefa a ser executada. Em alguns casos a AH, deixa alguns problemas escaparem de forma despercebida e contra “falsos pontos positivos”

É compensador usar diferentes abordagens, desta forma encontramos diferentes problemas e poupamos utilizadores em testes desnecessários.

Como fazer Avaliação Heurística?

1. Treinamento de Pré-avaliação – nesta fase é dada/ensinado aos utilizadores os avaliadores necessários e mostrada as informações do cenário a avaliar.
2. Avaliação – nesta fase é feita a avaliação individual com cada um dos utilizadores.

3. Classificação de Prioridade – depois de agregados os feedbacks dos utilizadores, é feita a escolha do problema se deve dar prioridade no momento, baseado no custo-benefício.

4. Debrienfing – Nesta fase feita a avaliação dos resultados da pesquisa com a equipe de design.

5. Usar pelo menos 2 passos para cada fase de avaliação:
i)  Ambientar-se com o escopo e com o fluxo do sistema;
ii) Focar-se em elementos específicos.

6. Liste os problemas de forma separada, este faz com que sejam evitadas listagens repetidas.

Se o sistema for fácil de usar ou caso os avaliadores tenham domínio das técnicas de avaliação não haverá necessidade de assistência, caso contrario, terão de ser adicionadas avaliadores com cenários pré-elaborados. Cada avaliador produz uma lista específica de problemas.
Explique o porque de cada situação fazendo referência ao ponto de Avaliação Heurística (informação)

7. Classificação de Prioridade é estimada de forma independente depois de cada revisão
Alocação de recursos para a resolução dos problemas identificados. Estimar necessidades de aplicação de melhorias da usabilidade.
Identificação de prioridades combinadas (Frequência, impacto e persistência)

Valores de Classificação
0 – Não problemas na usabilidade
1 – Problema de estético
2 – Problema de usabilidade de menor escala
3 – Problema médio de usabilidade, é importante resolver
4 – Catástrofe na usabilidade, é imperativo resolver

9. Debriefing

  • Conduz-se os avaliadores, observa-se e desenvolve-se equipas;
  • Discute-se características gerais da UI;
  • Faz-se sugestões de melhorias ao problemas de maior destaque;
  • A equipe de desenvolvimento classifica os problemas com vista a criar uma solução;
  • Faz-se brainstorm de soluções.

Termina aqui o guia completo sobre como usar  Avaliação Heurística nos nossos projectos. Caso apliques alguns dos procedimentos indicados no artigo, não hesite em entrar em contacto para partilhar a tua experiência.

No proximo artigo vamos mudar a temática, vamos falar de Gestalt. Contamos contigo. Até já!

Referências

Heuristic Evaluation: How to Conduct a Heuristic Evaluation, The Interaction Design Foundation

Por guidione

Sobre mim

O meu nome é Guidione Machava e guidi.one é o meu blog pessoal. O meu canto na web, onde partilho ideias, conceitos e sugestões de princípios usabilidade em projectos centrados no utilizador (user).

Partilho também notas das aulas online e presenciais que tenho frequentado que acredito que agregam valor a qualquer profissional na área de UX Design.

Queres saber mais sobre mim? Segue-me nas redes sociais.